“Ninguém é sozinho em uma livraria”

 

Por Matheus Pichonelli

Dirigido por Isabel Coixet, o filme A Livraria, que estreou na quinta-feira 22, é uma declaração de amor aos livros e aos valentes vendedores de livros que precisam transformar em produto o que não têm preço de mercado.

Quem vem do interior (na cidade onde nasci sobram-nos shoppings, farmácias e barbearias, mas as livrarias ou desapareceram ou flertam com a falência diariamente) provavelmente vai se identificar com a protagonista que, leitora que gosta de andar para absorver o que leu, é confrontada o tempo pela brutalidade do entorno que a todo momento questiona: para que isso me serve?

A referência recorrente a Ray Bradbury não é sem propósito.

“Não preciso de livros, me basta a realidade”, diz o pescador.

“Livros me dão sono”, diz o banqueiro.

“Como vai prosperar com a sua loja?”, diz o manager da TV que repele a literatura.

E assim, sucessivamente, os encontros com os personagens daquela cidade revelam uma força gravitacional em direção a um mundo de experiências empobrecidas, onde tudo é resumido a empreendimentos, perspectiva de lucro, ultrapassagens desonestas, artificialidades, pequenos ganhos, imediatismo.

Tudo o que o livro pode implodir ao imaginar um outro senso da realidade, menos crua, menos cínica e, já que falamos de poesia acima, mais interessante e menos cinza; menos óbvia enfim. “Um poeta não se faz com versos. É o risco, é estar sempre a perigo, sem medo. É inventar o perigo e estar sempre recriando dificuldades, pelo menos maiores. É destruir a linguagem e explodir com ela, sabendo-se perigoso, divino, maravilhoso”, escreveu certa vez Torquato.

Baseado no romance homônimo de Penelope Fitzgerald, A Livraria é a história de quem decidiu correr esse risco, e guarda para o espectador diálogos que fatalmente podem servir de escudo toda vez que associar (ou tentarem associar) o exercício da leitura como um atestado da misantropia. O maior deles, “ninguém é sozinho em uma livraria”.

Artigo originalmente publicado no site da CartaCapital

Uma opinião sobre ““Ninguém é sozinho em uma livraria””

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *